terça-feira, 18 de março de 2008

A SÍNDROME DA PARANÓIA


Se paranóia tivesse nacionalidade, seria norte-americana. Indubitavelmente. Salvas as exceções de praxe, os vizinhos da “América de Cima” desbancam, de longe, qualquer um de nós. Primos pobres que somos, perdemos feio em matéria de paranóia. E olha que em tudo tentamos copiá-los! A explicação? Talvez não sejamos tão criativos. Talvez tenhamos imaginação ridícula e limitada. Talvez só usemos, mesmo, dez por cento da nossa cabeça animal. Talvez, talvez, talvez. O certo é que, neste particular, estamos a Anos-luz de alcançá-los.
E se é verdade que a “arte imita a vida”, basta uma ligeira espiada na galeria de filmes vindos de lá para compreender, ou pelo menos tentar, o paranóico American way of life. Eu, que não morro de amores pelo cinemão hollywoodiano, já perdi as contas de quantas vezes, por exemplo, Nova Iorque foi dizimada nas telonas. Haja criatividade! Já vi de um tudo! Extraterrestre soltando raios, vilões intergalácticos cuspindo fogo, naves espaciais centrifugando homens e carros. Já vi a Big Appel virar pó nas mãos de terroristas árabes, sucumbir à força da natureza e ao poder invisível de vírus e pragas e pestes terríveis. Gostar, não gosto. Mas me divirto um bocado! Também, pudera! Eles exercitam a imaginação até os últimos limites da sanidade mental. E isso, em certos aspectos, reflete, sim, a paranóia coletiva instaurada naquele país.
Lá, naquelas terras do Norte, se o sujeito é gringo, usa barba farta e não tem o esmaecido tom de pele dos americanos, corre o risco de nem passar do aeroporto. Se passa, corre o risco de ser farejado até dar meia-volta. Se não volta, vive à espreita, como caça, escapando do Serviço de Imigração feito o Diabo foge da Cruz. A rigidez faz sentido, é claro, sobretudo depois que as famosas Torres Gêmeas foram impiedosamente riscadas do mapa. Mas faz sentido até certo ponto. A nós, primos pobres e levemente mais lúcidos, nos parece que o delírio crônico instalou-se naquele país e grassa numa naturalidade impressionante, a ponto, inclusive, de extrapolar fronteiras e vir bater aqui, em nossa porta.
Impossível não citar, como exemplo, a meteórica visita da Secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, à Cidade do São Salvador. Quem viu, de perto, o aparato montado para garantir a segurança da sempre sorridente Ms. Rice certamente se imaginou num set de cinema. Além de paranóicos, me pareceram extremamente exagerados nossos ilustríssimos visitantes. Num Centro Histórico repentinamente “higienizado”, sem meninos pedintes saltando nos pescoços nem lixo brotando de esquina em esquina, os agentes da polícia norte-americana desfilaram todo o seu poderio e arrogância. Óculos escuros e armas em punho, zanzaram para lá e para cá, inspecionando cada minúsculo espaço, cada buraco recôndito por onde passavam como se nós, logo nós, planejássemos o mais terrível dos ataques terroristas. Ora! Que ataque poderíamos urdir? E ainda mais no Pelourinho? Para quê cargas d’água iríamos nós atentar contra a vida da sempre “adocicada” Candy Rice? Ainda que tivéssemos ojeriza ao presidente a quem ela representa e aversão à sua política internacional do “guela-abaixo”, que submete países pobres e em desenvolvimento e solapa soberanias ao grau mais rasteiro, ainda assim não teríamos motivo que explicasse todo aquele pavor desembarcado. Só a paranóia norte-americana justifica, em síntese, o “circo” de língua estrangeira armado no Pelourinho.
E como se assistisse a mais um filme-paranóia, gozei de divertidos momentos acompanhando aquele elenco bizarro, de peles claras e paletós escuros, cozinhando nas ruas de pedras do Centro Histórico, embaixo de um generoso sol de meio-dia. Acostumados ao calor senegalês das manhãs de verão nesta terra da Bahia, pararam os baianos, em multidão curiosa, a espreitar, de perto e de longe, furando aqui e acolá o portentoso esquema de segurança, aquela inusitada movimentação de homens e mulheres excessivamente brancos. Para todos, ou pelo menos para a maioria, nada daquilo fazia muito sentido. No semblante de cada um, a expressão de estranhamento. Na lógica baiana, não havia razão para homens mirarem suas armas pesadas, no topo das igrejas seculares, em direção àqueles que só queimavam poucos minutos do tempo xeretando tão invulgar vai-e-vem. Não havia razão para carros apressados, escuros e blindados, cortarem em velocidade os becos, ladeiras e vielas seculares, com pencas de policiais pendurados, como se estivessem em exercício de guerra. Na lógica baiana, nossa, Condoleezza Rice ou a Rainha da Inglaterra, naquele momento, inspirariam a mesma curiosidade, a mesma admiração. Somente.
Por isso, depois de alguns breves minutos bisbilhotando aquele intenso movimento, um preto velho, lá para seus oitenta e tantos anos, engatou marcha ré e saiu tranqüilo, no manso passo baiano, subindo a ladeira como se tivesse toda a eternidade à sua disposição. Alheio à presença da Secretária Rice, delegada-maior do presidente Bush, o velho nagô ganhou seu rumo... Da mesma forma que a paranóia norte-americana ganhou o dela, horas depois, para nossa felicidade.

9 Comentários:

Às 18 de março de 2008 17:49 , Blogger Indira disse...

RicardinhoO,seus textos continuam maravilhosos!!!!

=]

Eu não acompanhei nadica pela tv sobre a visita de Condoleezza Rice à Salvador,mas imaginei como a cidade ficaria com essa visita...acho ridículo todo esse esquema de segurança,acho podre essa arrogância norte-americana.

bjO
Boa Noite!!!

 
Às 19 de março de 2008 07:53 , Blogger Linny Valenca disse...

Meu lindoooo!!!
seus textos estão maravilhosos viu?
Amoooo

 
Às 19 de março de 2008 10:21 , Blogger O que é que há com nós dois? disse...

Gente!! Esse eu tinha que comentar, claro!!! A visita de Conolezza me lembrou a faculdade, Sociologia e nós discutindo a "Macumba pra Turista". Quanto à paranóia deles, a gente não deixa por menos quando nos visitam e mostramos essa segurança "pra inglês ver".

Beijo, Rish. Depois comento os outros. E me liga, enrolado!!!

Ah!! É Dani, viu? :p

 
Às 19 de março de 2008 14:44 , Blogger Carol disse...

Rick! Muito bom...
Aqui em casa foram feitas observações semelhantes as que vc fez sobre mais essa visitante.Mas, não com a sua forma deliciosa de descrever fatos e sensações...Maravilha!!!

 
Às 21 de março de 2008 14:24 , Blogger Daniel disse...

Ricardo, eu dei graças a Deus de não ter sido escalado para cobrir essa visita. Nada contra Rice, que até aparentou ser bem simpática, mas não suportaria ter que assistir (calado) toda essa presepada. Se por um acaso do destino eu estivesse lá, gostaria de ser o velhinho que foi embora em seu passo manso. Um abraço!

 
Às 21 de março de 2008 14:48 , Blogger José Lisboa Júnior disse...

Pois é!Tanta pataquada por uma simples visitinha de alguém tão importante para os branquelos e,por enquanto, tão insignificante para nós.Tanta frescura desses branquelos.Me deixe viu!

 
Às 22 de março de 2008 06:40 , Blogger Mariana Paiva disse...

Nem me fale. Fui ao Pelourinho no dia, e era incrível: as vias fechadas, tudo estranho, tanta polícia...

o povo lá nos States deve ter sentido mais a falta dela que a gente. Fica por aí, amargo-arroz-docinho.

 
Às 16 de julho de 2008 19:11 , Blogger Erica disse...

Ricardo,
vi teu blog em seu perfil e resolvir da uma olhada...
maravilhoso seu texto, se poder da uma olhadinha nos meus também.

Um abraço!

 
Às 3 de novembro de 2008 04:14 , Blogger agleom disse...

Lembrei do "circo" que armam para fazer as blitz! Quantos profissionais e veículos mobilizados para aumentar a arrecadação...como são eficientes em identificar os bebuns irresponsáveis...mas ladrão e traficante deve ser mais difícil, afinal estão com os reflexos mais apurados!

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial